Buscar
  • Tatiana Francis

Coronavírus e as famílias de Expatriados (as) no Mundo

Atualizado: Set 27

Nos últimos dias, pude falar com expatriados residentes em várias partes do mundo sobre a atual crise causada pelo Coronavírus.

Lidar com o excesso de informações, saber diferenciar as notícias falsas das verdadeiras e aprender a tomar decisões com a própria cabeça tem sido o maior desafio entre eles.

Os recém-chegados tendem a demonstrar maior apreensão, muitos ainda aprendendo a se comunicar na língua local, sentem-se inseguros e perdidos.

Depois dos cancelamentos dos voos e barreiras levantadas nas fronteiras, aqueles que questionaram voltar para o próprio país agora tem que se adaptar a um contexto ainda mais complicado do que quando chegaram.


Mudanças na dinâmica familiar

A medida do governo para conter a disseminação do vírus fez com que uma mudança significativa na dinâmica familiar de muitos expatriados ocorresse. Muitos tiveram que aprender a lidar com a separação do parceiro e dos filhos, seja por motivos de trabalho ou simplesmente por ter tido seus voos cancelados sem previsão de volta.

Outros estão tendo que lidar com a convivência “forçada” 24 horas por dia, 7 dias por semana (quem tem filhos pequenos, sobretudo, sabe o quanto isso pode ser desafiador).

Profissionais tiveram que transformar suas casas em um verdadeiro local de trabalho e fazer com que isso funcione junto com toda a rotina familiar. Muitos pais tiveram que adaptar sua rotina com os estudos à distância dos filhos e acabaram, de certa maneira, virando seus próprios professores.


Mensagem de uma Expatriada na Itália

O papel do mediador e especialista intercultural é ser uma ponte entre uma cultura e outra, mas hoje eu espero ser uma ponte entre o teu EU antes do Coronavírus e o EU depois.

Vivendo em um dos lugares mais afetados pelo Coronavírus na Itália (e também no mundo), pude viver na pele todas a emoções de ter a minha rotina e a da minha família interrompida pela quarentena. Superado o pânico inicial, aprendi muito nesses últimos 10 dias e gostaria de compartilhar com você algumas das minhas percepções.


O isolamento social, o medo de ser infectado, não saber quanto tempo irá durar a quarentena, a instabilidade econômica e a falta de recursos básicos podem afetar muito o nosso psicológico.

Entender que teremos que adotar um estilo diferente de vida por um tempo, pode ser útil para superar o pânico inicial e a preparar a mente para a nova dinâmica.

Observar como os membros da minha família estão reagindo a quarentena e desenvolver empatia favorece a convivência e gera a sensação de acolhimento.

“Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças.” Leon C. Megginson

Essa pode ser uma verdadeira oportunidade para investir no crescimento pessoal. Ler bons livros te ajudará neste percurso.

Recomendo que você deixe a espontaneidade fluir e ria um pouco, se puder. Não existe nada de mal nisso. Sorrisos são terapêuticos, principalmente em situações de estresse.

Descobrir hobbies e tirar velhos projetos da gaveta são boas formas de criar valor no momento presente.

Nos relacionamentos à distância, podemos oferecer apoio emocional aos nossos parceiros e procurar estar presente em vários momentos do dia graças à internet. Dessa forma, estabeleceremos o vínculo e fortaleceremos a relação.

Cultive a espiritualidade, ou simplesmente medite. Existe um grande poder nisso!

0 visualização0 comentário